top of page
Buscar
  • Foto do escritorCoolTure Trip

"Voltamos ao submundo que eu gosto". Martha Cooper lança livro aos 76 anos

Ao lado de Ninja K., Martha Cooper realizou a cobertura fotográfica da crew 1UP em Berlin pintando trens, no melhor estilo "submundo".

 


"Seu coração está batendo forte e você está se escondendo e correndo. Sempre há uma chance de ser pego. Mas estou interessada em como todas essas coisas funcionam.” Diz Cooper em entrevista a WIP.


Martha ainda acrescenta a migração do graffiti das ruas ás galerias de arte ou

então pinturas encomendadas comercialmente. Não é o ponto dizer qual é o melhor ou mais correto, e sim, questão de gosto. Na 1UP, ela afirma ter encontrado a rotina de adrenalina como a vivida na década de 70, quando começou os registros de graffiti que acabou levando seu nome ao redor do mundo com a explosão do Hip Hop.

"Voltamos ao submundo", diz ela. "como eu gosto."


O Processo


Fiquei grata a 1UP por me permitir acompanhar algumas dessas ações e não me tratar como uma garota. Eles me deixaram ir junto, eu sou duas gerações mais velha que eles. Estou prestes a ter setenta e cinco anos. E, no entanto, eles não me trataram como se eu fosse uma velha frágil, tipo tentando me ajudar nos trilhos ou algo assim. Aqui estou eu, correndo pelas trilhas com eles e apenas ri.

Por um lado, eu estou ofegante e pensando, “Oh meu Deus, como vou subir essa colina?” Mas, por outro lado, eu estou tipo: “Isso é bom” E eles só diziam tipo:“ Você quer vir? OK, mas você terá que acompanhar.” E eu consegui acompanhar.


Acho que tive uma educação muito liberal e minha mãe certamente nunca disse que eu não podia fazer nada. Eu sempre senti que deveria ser capaz de fazer o que fosse. Nunca me senti assim ... diria que não fui realmente discriminado quando estava tentando conseguir um emprego como fotógrafa. Foi apenas um momento em que as pessoas perceberam que realmente tinham que contratar mulheres. Então, acho que fui contratada no New York Post porque era mulher. Eu acho que eles sentiram que precisavam de uma mulher. Os velhos jornalistas nem sempre eram tão amigáveis se estávamos em uma sessão de fotos. Não se sentiam confortáveis com a situação, mas pra mim não fazia diferença, eu estava ali tanto quanto eles e iria fazer o meu trabalho de qualquer forma. (trecho retirado inteiro da entrevista de Martha a WIP)

O livro ainda não é encontrado facilmente no Brasil, mas está disponível na Amazon neste link.




0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page